As novas chefes de domicílio nos lares brasileiros

Tradição

A tradicional família brasileira mudou. A hierarquia dentro dos lares também. Há tempos, que as donas de casa, que antes tinham como tarefa cuidar, alimentar e educar os filhos, começaram a exercer algum tipo de atividade financeira, para ajudar com as despesas da casa. As mulheres empreendedoras.

Tempo

O tempo voou e o trabalho feminino tornou-se tão importante, que a Organização das Nações Unidas (ONU) criou em 2014, uma data para celebrar a mulher empreendedora e seu impacto na economia, dia 19 de novembro, o Dia Global do Empreendedorismo Feminino.

Um estudo da Serasa Experian revelou que mais de cinco milhões de brasileiras são empreendedoras e que estão à frente de 43% dos negócios do país, a maior parte delas atuando como MEI ou sócias de micro e pequenas empresas.

Mulheres empreendedoras

Cenário

Cenário bem diferente, nas grandes corporações, onde somente 0,2% das empreendedoras são sócias de grandes empresas.

“O empreendedorismo torna viável a mulher trabalhar, fazer o que gosta e ter mais flexibilidade com horários, o que é imprescindível, já que há a necessidade de conciliar as tarefas domésticas e a educação dos filhos”, opina Monica Marchett, fundadora do Instituto Vida e Saber.

Grande parte das mulheres empreende por necessidade ou desejo de independência, e por tantas vezes, acabam tornando-se as chefes do domicílio. Segundo o SEBRAE, atualmente são 9,3 milhões de mulheres à frente de uma empresa no Brasil, representando 34% de todos os  donos de negócios do país.

 “As mulheres se reinventam para permanecer. É necessário continuar essa jornada, e tentar impactar de forma positiva no negócio e nas futuras gerações de mulheres e jovens empreendedoras”, conclui Monica Marchett.